Iniciando no Linux e os primeiros passos

Por que instalar o Linux?

Introdução

Você está curioso para mudar seu sistema operacional, mas ainda não tem as competências necessárias no mundo da informática? A linha de comando é assustadora, o código não é sua especialidade e ainda está cansado das falhas de outros sistemas operacionais? Estou falando da tela azul do Windows como um exemplo fatal. Isso pode ser um bom começo para migrar para o Linux.

Ok, o Linux não é (sempre) elegante, não é um Mac Book Pro ou Air.

No entanto, a Apple ou o Windows têm uma tendência irritante de ter ambientes de usuários que não são muito personalizáveis e, além disso, são bem restritos, é um fato: os geeks estão no Linux. O seu computador no Linux não será um computador para qualquer um. É seu, personalizado de acordo com suas necessidades de TI. Você assumirá o real controle do seu computador. Esta deve ser a principal razão para migrar.

unbuntu

A informática está se tornando mais complexa com as tecnologias nas nuvens e é mais difícil compreender de maneira abstrata o que é um computador e como ele funciona com “todos conectados” e com “objetos inteligentes” que estão começando a nos invadir através dos smartphones e drones, por exemplo. A abordagem do Linux faz com que você entenda melhor toda essa problemática e, portanto, saiba mais sobre a segurança de seus dados na web.

O Android roda em um sistema Linux, 75% dos smartphones, 92% dos supercomputadores rodam Linux e apenas 1,97% dos computadores pessoais estão em um sistema Linux.

É totalmente gratuito, você não paga por uma licença

Para você obter a última atualização do Windows 8 em seu novo desktop com a interface Metro, você terá que pagar pela licença. No Natal, você muda de computador, passa para uma área de trabalho da Mac, e se apaixona pelo último Mac Book Pro que custará uma viagem de ida e volta ao Taiti. E aí, na verdade, você preferia ir até a Polinésia.

Isso é só o começo. Você sempre vai ter que comprar algum software. Você vai precisar de um pacote Office mais recente e uma licença de 150 €. Você é louco pelo Photoshop e também compra a licença. Entrando na oferta, você também paga por atualizações de conteúdo que você nem tem certeza se vai usar. A Apple oferece o OSX mais recente, uma pequena atualização e alguns euros a mais para a manutenção da sua área de trabalho pessoal. Upgrades, pacotes de serviços e de softwares, de ponta a ponta, também vão entrar no orçamento!

O Linux é totalmente gratuito, seja em um computador ou em 3.000 máquinas, incluindo softwares livres. Há cerca de 30.000 pacotes no Debian para baixar. Você instala a distribuição, faz algumas atualizações automáticas e já está com um pacote completo de softwares pra rodar no sistema operacional, incluindo navegador web e comunicação.

Instale o sistema em uma máquina antiga ou nova, pequena ou grande

Quer reciclar um computador ou colocar um sistema leve no laptop para evitar que ele superaqueça? O núcleo do Linux e seu kernel são executados em milhares de servidores em todo o mundo e operados por engenheiros que necessitam de recursos de produção estáveis. É o mesmo kernel encontrado no seu sistema pessoal e mais leve que o Windows ou Mac.

Modifique o sistema como quiser

Se você navegar um pouco em blogs e sites especializados em Linux, é impossível não ter notado que muitos usuários são verdadeiros hackers. A personalização do sistema é uma segunda natureza do Linux. Quer mudar a cor das janelas, não há problema. Não gosta da tela inicial do computador?

Vamos dar um pouco de ar fresco. Este ícone não se parece com nada que você goste? Vamos mudar isso! Precisa de um script de inicialização para um programa? Vamos lá.

Tudo pode ser editado. Encontre os arquivos de configuração do sistema e comece a personalizar seu computador. Se você está com um pouco de medo, então existem ferramentas como o Ubuntu Tweak, por exemplo, nos repositórios de software. Se você é criativo com o seu computador, então encontrou o seu lugar.

 Aprenda informática com profundidade

Seja você um usuário iniciante ou avançado, o Linux faz com que você aprenda a ciência da computação passo a passo, usando as funções modernas, a linha de comando ou a interface gráfica para explorar as funções do seu computador. Por exemplo, você pode aprender a fazer manipulações de diferentes maneiras:

  • Controlar permissões de acesso à área trabalho;
  • Saber quais são os comandos que estão rodando com a função principal;
  • “Montar” um disco de armazenamento USB ou disco rígido externo com suporte;
  • Usar o rsync para fazer backup de seus dados;
  • Tornar-se realmente dono dos seus dados com os comandos grep, tail ou find.

Edite e divirta-se com os efeitos do Linux e com vários aplicativos

O Linux é altamente personalizável e você pode modificar o sistema para que ele funcione como você quiser. É possível adicionar áreas de trabalho extras e fazer outros truques para aumentar sua produtividade. Você pode ter uma área de trabalho descontraída e elegante, ou mesmo uma área de trabalho mais extravagante, como um painel de controle de avião com indicadores de status operacionais do computador. Um exemplo disso é a área de trabalho no Gnome Shell, da Elementary Luna.

O Unity no Ubuntu serve para gerenciar seus aplicativos e também administrar a pesquisa automática de documentos no seu computador. Além disso, é possível executar um sistema Windows no Linux, através da máquina virtual no VirtualBox ou outros aplicativos como o Wine.

Escolha o Linux mais adequado para você

Você decidiu dar esse passo e experimentar de vez o Linux ou tentar novamente após alguns anos de interrupção por X motivos? Então é hora de preparar uma distribuição na “distro” do Linux. Você vai instalar essa distribuição em um dispositivo USB (o CD está desatualizado), para entrar no mundo do Linux.

Para criar uma unidade USB, você precisará de um utilitário do Windows chamado Linux Live USB Creator ou Lili para os íntimos do software, que está disponível para download. Uma segunda solução é instalar o sistema através da máquina virtual no VirtualBox para testar com segurança o seu sistema operacional atual nesse tutorial.

Aqui está uma pequena visão geral das várias distribuições populares do Linux que você pode testar de acordo com suas necessidades. Para isso, instale o Live USB e reinicie o PC no dispositivo USB. Algumas distribuições são feitas para iniciantes, enquanto outras são para usuários avançados ou mesmo experientes (Arch Linux e Kali). Você pode baixar o arquivo de imagem .iso em cada site de distribuição ou via bitTorrent.

Ubuntu: o mais popular “para o ser humano”

O Ubuntu é desenvolvido pela empresa Canonical por um empresário chamado Mark Shuttleworth. Ele sonhava em tornar o Linux acessível a todos. É uma distribuição relativamente jovem. Desde então, foi estendido com a versão Ubuntu Touch para smartphones e tablets. A comunidade de usuários do Ubuntu é muito grande e tem grande participação nos fóruns, em caso de problemas ou mesmo de patrocínio. É uma solução simples para começar, focada na simplicidade de uso. É a distribuição com a qual você terá menos problemas de hardware durante a instalação, porque ela geralmente tem uma alta compatibilidade.

No Ubuntu, comece com o guia para iniciantes para entender o sistema. A documentação da comunidade francófona é um bom complemento de informações.

Você encontrará variantes de desktop como Gnome-shell, KDE ou XFCE. O Ubuntu está num ambiente bastante complexo de Unidade de pesquisa da Amazon e ebay, por exemplo. As distribuições mudam de nome dependendo da área de trabalho: Gnome remix, Kubuntu, Xubuntu. O Ubuntu oferece um serviço nas nuvens com o nome Ubuntu One como padrão.

Linux Mint: a nova distribuição para iniciantes

O Linux Mint é baseado em simplicidade e elegância. É uma distribuição derivada do Ubuntu e, portanto, bem robusta. Existem dois locais de funcionamento, Cinnamon ou Mate. Para migrar do Windows sem se perder demais na interface, é uma boa opção, pois a barra e o menu são colocados da mesma maneira. É uma migração tranquila. Tudo o que você precisa por padrão em um sistema operacional está lá: pacotes Office, ferramentas, internet, navegador, flash player, MP3, DVD. Para começar a utilizar o Mint, siga este guia do usuário.

Linux Mint

O Mageia é um projeto francês nascido com a morte do Mandriva em 2010. A distribuição é baseada na criação de uma administração de TI estável para o trabalho colaborativo em uma comunidade de entusiastas. Você encontrará a documentação nesta página. A área de trabalho padrão está no KDE. É também a primeira distribuição a integrar o formato MariaDB gratuito como um sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD) no lugar do MySQL.

 Fedora: a alternativa robusta

O Fedora é desenvolvido pela empresa Linux Red Hat. O sistema é robusto e um pouco diferente do Ubuntu, além do gerenciamento de pacotes (baseado no Debian .deb no Ubuntu) ser em RPM. O desenvolvimento é rápido, suportando uma variedade de hardwares e PowerPC orientado. O Fedora também é usado para o servidor e para a administração do sistema.

Arch Linux: o lugar de barbudos e especialistas

O Arch Linux não é a distribuição que você instala depois de duas ou três doses e começa a mudar o mundo. Mas é ótimo para refazer o sistema operacional do seu computador completamente e a partir do zero. Para aprender Linux e computação “profissional”, é disso que você precisa, além, é claro, de muito café ou chá nas mãos. Você começa do zero e vai construindo o seu próprio sistema. Aqui não há atualização a cada seis meses, apenas atualizações conforme o necessário. O inglês é essencial. Se você não tem medo de computadores nem da linha de comando, comece com este guia de instalação em francês, editado pela comunidade, em uma máquina virtual com o Virtual Box.

Kali: o ofensivo 127.0.0.1

O Kali Linux anteriormente Back|track é um projeto ofensivo de segurança cibernética para penetrar em redes de computadores. É uma Distribuição baseada no Debian para usuários que estão muito conscientes dos riscos da área da TI, ou de auditoria de rede, etc. Com certeza ele não é para iniciantes, mas continua sendo reconhecido no mundo do Linux. Não procure ajuda nos fóruns, você não vai conseguir. Entrar numa rede que não lhe pertence e sem autorização é passível de punição de três anos de prisão e uma multa de 30.000 euros.

Instale o Linux no seu computador pessoal

Você decidiu dar uma chance ao Linux e acabou de encontrar a distribuição feita para suas necessidades? Então, vamos à instalação via USB Live. Você vai precisar saber algo sobre partição de disco, coabitação de sistemas e inicialização/Multi boot.

Você não deve mais precisar deste guia durante a instalação, pois não terá o mesmo em mãos. Apesar disso, imprima-o para mantê-lo à disposição em caso de pânico do núcleo //Kernel-Panic/// ou no caso de suar frio.

Gravar um Live USB

Existem vários métodos para gravar uma distribuição Linux. O CD tornou-se obsoleto, agora utilizamos USB, principalmente porque os Ultrabooks não possuem leitor de CD/DVD. Como mencionei antes, você precisará do software Linux Live USB Creator para fazer isso no Windows. Para Mac, o método é um pouco mais complexo, e aconselho você procurar no Google.

Como exemplo, vamos gravar a versão mais recente do Linux Mint disponível nesta página de download. Considere a versão de 64 bits se você tiver mais de 4 GB de memória no seu computador. Caso contrário, mude para 32 bits. Escolha o ambiente Mate ou Cinnamon. Você pode então escolher um espelho para download direto da .iso, isto é, o seu arquivo de imagem ou então o link do Torrent para baixar via bitTorrent.

Você instalou o Linux Live USB Creator e seu dispositivo USB de 2 GB (pelo menos) está pronto para a gravação. A imagem do Linux Mint acabou de ser baixada. Então você tem algumas funções para executar no software:

  • Escolha o dispositivo USB a ser usado;
  • Escolha o local da imagem do Linux Mint, neste caso, uma .ISO;
  • Deixe o Live CD no Modo Persistente mantendo as configurações do seu dispositivo USB;
  • Formate o dispositivo USB, se necessário, em FAT;
  • Clique no “raio” para dar início ao processo de gravação.
  • Quando o dispositivo USB estiver pronto, você precisará reiniciar o PC e é aí que os problemas vão começar.

Mas é um bom sinal, você está aqui para aprender, não é? Normalmente, o seu PC não está configurado para iniciar em um sistema operacional via USB. Para fazer isso, você precisa modificar a BIOS do seu PC. A BIOS é específica para cada fabricante de computadores e, para entrar nela, você precisa saber a combinação de teclas que vai usar. A primeira tela exibida rapidamente na inicialização é a sua BIOS, e ela normalmente vem junto com a combinação de teclas para acessar. Na maioria das vezes, utiliza-se a tecla DELETE ou DEL ou mesmo F8. Cabe a você descobrir e explorar o seu computador para alterar a configuração de leitura da unidade externa:

Se tudo der certo, seu dispositivo USB será iniciado e a tela de carregamento do sistema Linux Mint aparecerá:

Procedimento de instalação

A instalação pode ser um pouco diferente entre as distribuições. Se você estiver instalando o Linux pela primeira vez no computador e o Windows já estiver no disco rígido, é provável que você não queira começar excluindo o sistema operacional antigo. Nesse caso, você fará com que os dois sistemas coexistam no mesmo computador. Assim, será possível escolher, na inicialização, o Windows ou o Linux.

 Partição de disco rígido

Você iniciará o procedimento de instalação clicando em Install Linux Mint na área de trabalho do computador. Você vai chegar à tela de partição onde também é possível fazer com que ela coexista com o Windows se o sistema Live USB detectar o sistema presente no disco.

Nesse caso, instalaremos o sistema automaticamente em um volume lógico LVM e vamos criptografar o disco rígido inteiramente no AES com o dm-crypt. Faça isso se você tiver decidido remover o Windows [após o backup] para maior compatibilidade.

Será então solicitada uma senha para o seu disco rígido criptografado. Escolha uma boa senha: mais de 16 mini caracteres alfanuméricos acoplados a caracteres especiais e que não formem uma palavra conhecida.

Em seguida, escolha seu nome de usuário (login) e senha da sessão. Não criptografe a pasta pessoal, você já criptografou o disco rígido.

Mas se você mantiver o Windows, criptografe a pasta pessoal aqui para fazer com que os sistemas coexistam.

A partição e a instalação foram completamente claras, mas, afinal, o que o meu computador está fazendo?

  • A instalação exigiu que fizéssemos a partição para, finalmente, instalar os componentes essenciais do sistema:
  • A raiz do sistema “root” ativada / formatada no formato ext4 <10GB;
  • Uma área de memória swap do mesmo tamanho da sua memória RAM;
  • O gerenciador de inicialização bootloader que permite iniciar o sistema ou fazer inicialização múltipla com o Windows graças ao Grub2.

Ao reiniciar, após ejetar o dispositivo USB, o GRUB Bootloader aparece para escolher o sistema a ser inicializado. Se o Linux coexiste com Windows, as informações serão exibidas:

Se reinstalar o Windows, você perderá o GRUB e a inicialização Multi boot. Nesse caso, você precisará reinstalar o GRUB, por exemplo, com uma linha de comando no USB LIVE, selecionando /boot.

É mais fácil instalar o Windows antes do Linux para evitar problemas de GRUB.

Tudo deve funcionar imediatamente. Se você tiver azar, é possível que algum hardware não seja reconhecido, como Wi-Fi ou placa de rede associada.

Nesse caso, você precisará de algumas configurações manuais.

Aumentar a compatibilidade de hardware

A maior parte dos hardwares em circulação funciona perfeitamente no Linux. Em alguns casos, pode haver alguns problemas com hardwares pouco conhecidos. Por exemplo, é o caso de cartões híbridos em laptops Sony Vaio e o “dock”. Se o seu computador for novo, os drivers de última geração nem sempre foram compilados para o Linux.

Para evitar qualquer problema de compatibilidade de hardware, alguns fabricantes são “compatíveis com Linux”, como HP, Lenovo ou DELL. Encontramos alguns computadores à venda já com o Ubuntu nativo. Esse é o caso do Dell XPS, por exemplo, e você economiza nas licenças do Windows.

Lista de computadores já com o Ubuntu: http://www.ubuntu.com/certification/desktop/

Drivers proprietário

A maior parte dos hardwares é de código aberto, como os da Intel e outros fabricantes. Às vezes, acontece que o driver é proprietário (Nvidia, AMD ATI, Broadcom…), como é o caso particular das placas de vídeo ou de determinadas placas de rede e até mesmo as placas de Wi-Fi. Nesse caso, é possível instalar o driver por meio de uma ferramenta simples: Drivers adicionais (disponíveis nas bibliotecas Ubuntu ou já instalados por padrão)

Sistema> Administração> Drivers adicionais

Como regra geral, após uma nova instalação do Ubuntu, verifique depois se não há drivers proprietários para instalar.

 No caso de mouses e teclados 

Normalmente tudo deve funcionar por padrão. Para mais ferramentas extras como o remapeamento de botões, use o utilitário xev e sua documentação.

Para mais ajuda nos atalhos do teclado, acesse esta página ou mantenha pressionada a tecla “Dash”, correspondente à tecla “Windows”, por um longo tempo.

Instale aplicativos e vá ainda mais longe

É isso mesmo, você terminou a instalação e configurou a sua distribuição com hardware funcional. Mas o seu desktop está vazio, então o que vem a seguir? Aí vão algumas dicas e truques para obter um sistema operacional ainda mais produtivo e personalizado de acordo com o seu gosto.

V-A. Instalação de aplicativos, software

O Ubuntu e o Mint têm bibliotecas integradas, o que faz com que você possa instalar, navegar e explorar vários aplicativos ou softwares de forma fácil. Os usuários também deixam suas avaliações como fazem no Android e no Google Play.

Se você precisar de mais repositórios, recomendo instalar o Synaptic para distribuições baseadas no Debian, como Ubuntu ou Mint.

V-C. Alguns pacotes de software para sua área de trabalho

V-D. Segurança na sua área de trabalho

O Linux é considerado mais seguro que o Windows ou Mac. No entanto, uma área de trabalho não está necessariamente segura. É o usuário que faz a segurança, não o computador.